As cookies são importantes para o correto funcionamento deste site e são usadas para melhorar a sua experiência. Clique em OK para as aceitar e avançar ou consulte a nossa política de privacidade para ver a descrição detalhada do tipo de cookies que usamos.

OK
pt en
ed-on-glossario

saber mais

Até à data, apenas 12 países reportaram dados sobre o impacto do encerramento das escolas no aproveitamento escolar. Os resultados iniciais da Bélgica, República Checa, Alemanha, Países Baixos, Noruega, Rússia, Suíça e Reino Unido indicam a ocorrência de perdas reais de aprendizagem, com impactos mais significativos nos alunos provenientes de famílias menos instruídas.

De um modo geral, ocorreram perdas reais de aprendizagem em vários países da região europeia. Em resultado da primeira vaga de confinamento e do encerramento de escolas, a partir de março de 2020 cada estudante europeu perdeu, em média, o equivalente a meio ano do calendário escolar. Este impacto afeta o prosseguimento dos estudos, na medida em que pode comprometer o acesso a níveis de escolaridade superiores. De acordo com um estudo liderado por George Psacharopoulos, as perdas de capital humano poderão, a longo prazo, resultar num decréscimo de rendimentos financeiros para estes alunos na ordem dos milhares de milhões de dólares.

Contudo, nem todos os resultados são negativos. Em França, por exemplo, segundo uma investigação de William Thorn e Stéphan Vincent-Lancrin, os dados não são homogéneos. Até à data, o país registou níveis muito baixos de perdas de aprendizagem, embora o encerramento das escolas tenha tido impacto negativo na igualdade entre os alunos, com maiores prejuízos para os alunos menos favorecidos. Um trabalho de Jesper Fels Birkelund e Kristian Bernt Karlson mostra que na Dinamarca, por sua vez, não se registaram perdas de aprendizagem nem consequências na igualdade entre os alunos. Um estudo liderado por David Reimer aponta conclusões semelhantes, revelando que, ao que tudo indica, as crianças dinamarquesas foram muito bem acompanhadas em casa e os seus níveis de leitura aumentaram significativamente após o encerramento das escolas.

Sul da Europa

Ainda existe muito pouca informação sobre as perdas reais de aprendizagem em algumas regiões da Europa. No sul do continente, por exemplo, Itália recolheu informação sobre perdas de aprendizagem no ensino primário, secundário e superior, mas Espanha não coligiu quaisquer dados a este respeito (à exceção de uma faculdade). Em Itália, as capacidades matemáticas dos alunos do ensino primário deterioraram-se rapidamente após o encerramento das escolas, que durou cerca de 15 semanas. A pandemia teve um forte impacto no desempenho dos alunos, baixando as notas a Matemática com um desvio-padrão na ordem dos 0,19 – o que equivale a mais de meio ano de escolaridade. As consequências foram ainda mais expressivas entre os alunos provenientes de famílias menos instruídas, com perdas de aprendizagem equivalentes a mais de um ano de escolaridade entre os melhores alunos.

Resposta política

A longo prazo, a diminuição do aproveitamento escolar dos alunos poderá gerar desafios ainda mais complexos, decorrentes, por exemplo, do declínio do emprego, dos níveis salariais, do crescimento económico e do aumento das taxas de pobreza em vários países. Para enfrentar estes desafios são necessários mais dados sobre perdas reais de aprendizagem e, posteriormente, será preciso criar estratégias de recuperação que colmatem estas perdas.

Alguns exemplos de respostas políticas potencialmente úteis incluem:

1.    A implementação de programas de recuperação de aprendizagem. No imediato, os governos terão de garantir que os alunos que perderam oportunidades de aprendizagem recebem o apoio necessário para atingirem os objetivos educacionais definidos. O primeiro passo terá de envolver a realização atempada de avaliações que permitam identificar estes alunos e as respetivas necessidades de apoio. Uma investigação de Andre Nickow, Philip Oreopoulos e Vincent Quan mostrou que um programa de 12 semanas de aulas particulares pode levar os alunos a recuperarem o equivalente a entre três e cinco meses de escolaridade. Em Itália, um estudo de Michela Carlana e Eliana La Ferrara revelou que um grupo de alunos do ensino secundário que usufruiu gratuitamente de 3 a 6 horas de aulas particulares online, por semana, através de um computador, tablet ou smartphone, obteve ganhos de aprendizagem com um desvio-padrão na ordem dos 0,26 (o equivalente a cerca de um ano de escolaridade).

2.    A proteção do orçamento para a educação. Reduções no orçamento para a educação poderão comprometer os progressos alcançados nos últimos anos quanto ao acesso à educação e às melhorias da aprendizagem. É fundamental que os governos protejam estes orçamentos e garantam o financiamento das escolas que mais necessitam de apoio.

3.    Uma melhor preparação para futuros choques. Não basta que o sistema educativo recupere dos impactos da pandemia, também é necessário que utilize esta experiência para se preparar melhor para crises futuras. Para isso, os países deverão desenvolver capacidades que lhes permitam garantir um ensino virtual de qualidade no futuro, implementando currículos flexíveis que possam ser ensinados quer presencialmente, quer remotamente.

Contudo, antes da aplicação de qualquer uma destas medidas, é fundamental que os países recolham informação sobre o aproveitamento escolar dos alunos. Existem 44 países na Europa e, no entanto, apenas 12 disponibilizam dados a este respeito!


Bibliografia

Birkelund, J. F., & Karlson, K. B. (2021). No Evidence of a Major Learning Slide 14 Months into the COVID-19 Pandemic in Denmark. SocArXiv, 9 de novembro. https://doi.org/10.31235/osf.io/md5zn

Carlana, M., & La Ferrara, E. (2021). Apart but Connected: Online Tutoring and Student Outcomes during the COVID-19 Pandemic. IZA — Institute of Labor Economics, Discussion Papers Series, n.º 14094. http://hdl.handle.net/10419/232846

Christodoulou, D. (2020). Baseline Secondary Writing: have Year 7 pupils gone backwards? The No More Marking Blog, 30 de outubro, https://blog.nomoremarking.com/baseline-secondary-writing-have-year-7-pupils-gone-backwards-5497ac10b894

Contini, D., Di Tommaso, M. L., Muratori, C., Piazzalunga, D., & Schiavon, L. (2021) The COVID-19 Pandemic and School Closure: Learning Loss in Mathematics in Primary Education. IZA — Institute of Labor Economics, Discussion Paper Series, n.º 14785. https://ftp.iza.org/dp14785.pdf

Donnely, R. & Patrinos, H. A. (2020). Is the COVID-19 slide in education real? World Bank Blogs, Education for Global Development. https://blogs.worldbank.org/education/covid-19-slide-education-real

Engzell, P., Frey, A., & Verhagen, M. D. (2020). Learning Loss Due to School Closures During the COVID-19 Pandemic. SocArXiv, 29 de outubro. https://doi.org/10.31235/osf.io/ve4z7

Fasih T, Patrinos, H. A., & Shafiq, M. N. (2020). The impact of COVID-19 on labor market outcomes: Lessons from past economic crises. World Bank Blogs, Education for Global Development. https://blogs.worldbank.org/education/impact-covid-19-labor-market-outcomes-lessons-past-economic-crises

Fickermann, D. & Edelstein, B. (eds.) (2021). Schule während der Corona-Pandemie: Neue Ergebnisse und Überblick über ein dynamisches Forschungsfeld. Die Deutsche Schule, 17. https://doi.org/10.31244/9783830993315

Gonzalez, T., de la Rubia, M. A., Hincz, K. P., Comas-Lopez, M., Subirats, L., Fort, S., & Sacha, G. M. (2020). Influence of COVID-19 confinement on students’ performance in higher education. PLOS ONE 15(10). https://doi.org/10.1371/journal.pone.0239490

Korbel, V. &  Prokop, D. (2021). Czech students lost 3 months of learning after a year of the COVID-19 pandemic. PAQ Research. https://88760faa-4149-467c-8d6a-46e154cd4c14.usrfiles.com/ugd/88760f_c8f600c6cede4137a5bcb559319a8eb3.pdf

Maldonado, J. E. & De Witte, K. (2021). The effect of school closures on standardised student test outcomes. British Educational Research Journalhttps://doi.org/10.1002/berj.3754

Nickow, A., Oreopoulos, P., & Quan, V. (2020). The Impressive Effects of Tutoring on PreK-12 Learning: A Systematic Review and Meta-Analysis of the Experimental Evidence. National Bureau of Economic Research, Working Paper Series, n.º 27476. https://doi.org/10.3386/w27476

Oreopoulos, P. (2020). Scale Up Tutoring to Combat COVID Learning Loss for Disadvantaged Students. Scientific American, 24 de novembro. https://www.scientificamerican.com/article/scale-up-tutoring-to-combat-covid-learning-loss-for-disadvantaged-students/

Psacharopoulos, G., Collis, V., Patrinos, H. A., & Vegas, E. (2021). The COVID-19 Cost of School Closures in Earnings and Income across the World. Comparative Education Review 65(2), 271-287. https://doi.org/10.1086/713540

Reimer, D., Smith, E., Andersen, I. G., & Sortkær, B. (2021). What happens when schools shut down? Investigating inequality in students’ reading behavior during Covid-19 in Denmark. Research in Social Stratification and Mobility, 71. https://doi.org/10.1016/j.rssm.2020.100568

Skar, G. B. U., Graham, S., & Huebner, A. (2021). Learning loss during the COVID-19 pandemic and the impact of emergency remote instruction on first grade students’ writing: A natural experiment. Journal of Educational Psychology. Advance online publication. http://dx.doi.org/10.1037/edu0000701

Thorn, W. & S. Vincent-Lancrin. (2021). Schooling During a Pandemic: The Experience and Outcomes of Schoolchildren During the First Round of COVID-19 Lockdowns. OECD Publishing. https://doi.org/10.1787/1c78681e-en

Tomasik, M., Helbling, L., & Moser, U. (2020). Educational Gains of In-Person vs. Distance Learning in Primary and Secondary Schools: A Natural Experiment During the COVID-19 Pandemic School Closures in Switzerland. International Journal of Psychology, 56: 566-576. https://doi.org/10.1002/ijop.12728


Receba as nossas novidades e alertas

Acompanhe todas as novidades.
Subscrever