As cookies são importantes para o correto funcionamento deste site e são usadas para melhorar a sua experiência. Clique em OK para as aceitar e avançar ou consulte a nossa política de privacidade para ver a descrição detalhada do tipo de cookies que usamos.

OK
pt en
ed-on-glossario

saber mais
sala de aula pre-escolar

Frequentar o pré-escolar compensa. No curto prazo, as vantagens para o desenvolvimento cognitivo e sócio emocional das crianças têm sido sistematicamente corroboradas por diversos estudos. Mas, e o longo prazo? Quais os efeitos e impactos que uma educação pré-escolar pode ter na vida de uma pessoa?

Um trabalho muito recente, publicado no National Bureau of Economic Research, vem debruçar-se precisamente sobre esta questão, através de uma análise feita a um programa de generalização do ensino pré-escolar em Boston, nos Estados Unidos da América.

O estudo de Gray-Lobe e coautores mostra que a generalização da pré-escola pública pode ter importantes impactos na vida das crianças, a longo prazo. Apesar de o estudo ser dos primeiros a usar uma amostragem aleatória para investigar os impactos de longo prazo do ensino pré-escolar, os resultados são em muito semelhantes aos de outros estudos recentes e que se basearam em métodos diferentes. Estudos randomizados anteriores focaram-se em programas de alta intensidade aplicados em pequena escala, tais como o Perry Preschool ou Carolina Abecedarian, lançados nos anos 60 e com amostras de cerca de 150 crianças de famílias muito pobres, ou com uma análise limitada a resultados de curto prazo. Outros estudos que examinaram programas de larga escala focaram-se em programas pré-escolares destinados a populações pobres – como, por exemplo, o programa americano “Head Start” – e usaram comparações entre irmãos, a introdução em pequenas áreas geográficas ou o design da regressão descontinuada.

O estudo de Gray-Lobe e coautores comparou crianças que entraram na pré-escola aos quatro anos de idade, entre 1997 e 2003, através de um sorteio de acesso a programas de pré-escola com um número de candidatos superior às vagas disponíveis – ou seja, com fila de espera. Relativamente a outras crianças que estavam também em fila de espera, as crianças que foram (aleatoriamente) selecionadas para a pré-escola registaram uma probabilidade mais alta de inscrição na universidade, em cursos preparatórios para acesso à universidade, uma melhoria nos testes de acesso à universidade e uma probabilidade mais elevada de completar o ensino secundário no tempo certo. A frequência da pré-escola também diminuiu várias medidas disciplinares, como o encarceramento juvenil. No entanto, não houve nenhum impacto detetável nas pontuações dos testes de desempenho entre os terceiro e oitavo anos de escolaridade.

Uma análise de subgrupos mostra ainda que estes efeitos na inscrição na universidade, na realização de testes preparatórios para acesso à universidade e na prevenção de medidas disciplinares foram maiores para rapazes do que para raparigas, e não se registaram diferenças por nível socioeconómico.

O programa estudado por estes autores é especialmente interessante pelas semelhanças com o modelo pré-escolar público oferecido em Portugal e em muitos outros países europeus. A pré-escola pública em Boston é universal, sendo aberta a todas as crianças que residam nesta região, independentemente do rendimento familiar, e com um horário de seis horas por dia. Na prática, o programa atraiu uma população estudantil relativamente desfavorecida, com grande proporção de alunos não brancos e famílias de baixo rendimento.

Há ainda escassa evidência para compreender como os programas universais de pré-escola afetam os participantes no longo prazo. A evidência disponível de programas contemporâneos na Europa sugere que a expansão do acesso à educação pré-escolar e a creches formais ainda pode beneficiar o desenvolvimento cognitivo e socioemocional da criança. No entanto, a evidência está apenas disponível para países de rendimentos mais elevados, como, por exemplo, as expansões feitas pela Noruega nos anos 70 e 90 do século XX, e pela Alemanha.

Embora documentando impactos positivos em medidas comportamentais e de desempenho escolar, Gray-Lobe e coautores deixam em aberto os mecanismos através dos quais este programa se traduz em impactos positivos, tal como muitos dos estudos referidos. Várias hipóteses têm sido colocadas para ilustrar possíveis mecanismos, no entanto, para tal, seriam necessários estudos mais detalhados que incluíssem informação acerca do ambiente familiar e da qualidade da pré-escola.

Há várias possibilidades em aberto. Primeiro, a frequência da pré-escola pública pode ter dado às crianças acesso a um ambiente educativo melhor do que a alternativa sem pré-escola pública; contudo, não é possível saber se a alternativa seria uma pré-escola de pior qualidade ou simplesmente o cuidado pela mãe ou avós. Segundo, as mães podem ter (re)entrado no mercado de trabalho, por terem a possibilidade de colocar as crianças na pré-escola, e isto poderá ter levado um aumento do rendimento familiar e, consequentemente, reduzir o stress em casa. Finalmente, é possível que os pais tenham aprendido novas e melhores formas de interagir com os seus filhos em casa através do contacto com a pré-escola, e que isso tenha propiciado um melhor ambiente em casa.


Referências

Bailey, M., B. D. Timpe, and S. Sun (2020): “Prep School for Poor Kids: The Long-Run Impacts of Head Start on Human Capital and Economic Self-Sufficiency,” NBER Working Paper 28268-

Black, S., P. Devereux, K. V. Løken and K. Salvanes (2014): Care or Cash? The Effect of Child Care Subsidies on Student Performance. Review of Economics and Statistics, 96, 5, 824-837.

Bitler, M. P., H. W. Hoynes, and T. Domina (2014): “Experimental Evidence on Distributional Effects of Head Start,” Working paper.

Campbell, F. A. and C. T. Ramey (1994): “Effects of Early Intervention on Intellectual and Academic Achievement: A Follow-Up Study of Children from Low-Income Families,” Child Development, 65(2), 684–698.

Carneiro, P. and R. Ginja (2014): “Long-Term Impacts of Compensatory Preschool on Health and Behavior: Evidence from Head Start,” American Economic Journal: Economic Policy, 6, 135–173.

Deming, D. (2009): “Early Childhood Intervention and Life-Cycle Skill Development: Evidence from Head Start,” American Economic Journal: Applied Economics, 1, 111–134.

Felfe, C. and R. Lalive (2018): “Does Early Child Care Affect Children’s Development?” Journal of Public Economics, 159, 33–53.

Garces, E., D. Thomas, and J. Currie (2002): “Longer-term Effects of Head Start,” American Economic Review, 92, 999–1012.

Gray-Lobe, G., Pathak, P. A., & Walters, C. R. (2021). The long-term effects of universal preschool in Boston (N. w28756). National Bureau of Economic Research. https://doi.org/10.3386/w28756

Gormley, W. T., T. Gayer, D. Phillips, and B. Dawson (2005): “The Effects of Universal Pre-K on Cognitive Development,” Developmental Psychology, 41, 872–884.

Havnes, T. and M. Mogstad (2011): “No Child Left Behind: Subsidized Child Care and Children’s Long-Run Outcomes,” American Economic Journal: Economic Policy, 3, 97–129.

Kline, P. and C. R. Walters (2016): “Evaluating Public Programs with Close Substitutes: The Case of Head Start,” The Quarterly Journal of Economics, 131, 1795–1848.

Lipsey, M. W., D. C. Farran, and K. Durkin (2018): “Effects of the Tennessee Prekindergarten Program on Children’s Achievement and Behavior Through Third Grade,” Early Childhood Research Quarterly, 45, 155–176.

Ludwig, J. and D. L. Miller (2007): “Does Head Start Improve Children’s Life Chances? Evidence from a Regression Discontinuity Design,” The Quarterly Journal of Economics, 122, 159–208.

Schweinhart, L. J., J. Montie, Z. Xiang, W. S. Barnett, C. R. Belfield, and M. Nores (2005): Lifetime Effects: The High/Scope Perry Preschool Study Through Age 40, Ypsilanti, MI: HighScope Press.

Walters, C. R. (2015): “Inputs in the Production of Early Childhood Human Capital: Evidence from Head Start,” American Economic Journal, 7, 76–102.

Weiland, C., R. Unterman, A. Shapiro, S. Staszak, S. Rochester, and E. Martin (2019): “The Effects of Enrolling in Oversubscribed Prekindergarten Programs Through Third Grade,” Child Development, 91, 140–1422.


Receba as nossas novidades e alertas

Acompanhe todas as novidades.
Subscrever