As cookies são importantes para o correto funcionamento deste site e são usadas para melhorar a sua experiência. Clique em OK para as aceitar e avançar ou consulte a nossa política de privacidade para ver a descrição detalhada do tipo de cookies que usamos.

OK
pt en
A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z A-Z

Valor acrescentado do professor

Esta métrica permite aferir qual o papel do professor na evolução do aluno, entre uma prova universal e comparável no início do ano letivo e uma prova com as mesmas características no final do mesmo ano letivo. 

O valor acrescentado do professor mede assim o seu contributo para a evolução do aluno, contributo esse filtrado de todas as restantes condicionantes do aproveitamento escolar, nomeadamente as condições socioeconómicas da sua família, as condições específicas da escola onde o aluno estuda, e ainda a forma como os alunos e professores são distribuídos e alocados pelas turmas. 

Por exemplo, considerado que um determinado aluno i, no ano de ensino, a, na escola s, que teve um determinado professor p num ano lectivo, t, então podemos medir o valor acrescentado do professor sobre este aluno através da especificação:
Y_(i,a,s,p,t)=X_(i,a,s,p,t) "β"+Z_(s,a,t) η+Y_(i,a-1,s,p,t-1)γ+ μ_p+ ε_(i,a,s,p,t)

Onde Y_(i,a,s,p,t) é uma métrica das capacidades cognitivas no momento t, medido, por exemplo, através de um teste universal e comparável no final ano. X_(i,a,s,p,t) é um conjunto de variáveis ao nível do aluno; Z_(s,a,t) um conjunto de fatores ao nível da escola e Y_(i,a-1,s,p,t-1) mede a performance cognitiva no ano letivo e de ensino anterior. μ_p é um efeito fixo e constante ao longo do tempo do professor, sendo por isso a medida de valor acrescentado.  ε_(i,a,s,p,t)  correspondem a fatores residuais. 
 

veja também

Valores omissos planeados

Método de estimação de uma aptidão, capacidade ou estado a partir de informação incompleta de um teste ou questionário. Geralmente por questões logísticas (tempo, dinheiro), o teste é dividido em blocos de itens (questões), e cada respondente vê apenas uma fração desses blocos (reduzindo assim o tempo e os custos de testagem). Na amostra final todos os itens são respondidos, mas cada respondente vê apenas uma fração dos itens totais. As pontuações finais de cada respondente são então estimadas por imputação usando modelos de regressão que estimam as pontuações plausíveis dos candidatos para os itens que eles não responderam a partir das respostas aos itens que eles responderam. Este método é usado em todos os estudos de avaliação de alunos por amostragem em larga escala. Por exemplo, no PISA de 2015 o tempo estimado como necessário para um aluno responder a todos os itens do teste PISA era de 13,5 horas. Assim, para reduzir o tempo de teste para 2 horas, cada aluno viu apenas uma amostra do total dos itens do PISA. A amostragem dos itens é feita de forma a que na amostra total dos alunos que fazem o teste (no mínimo 4000 alunos) cada item tenha sido respondido por, no mínimo, 200 alunos.


Receba as nossas novidades e alertas

Acompanhe todas as novidades. Subscrever