As cookies são importantes para o correto funcionamento deste site e são usadas para melhorar a sua experiência. Clique em OK para as aceitar e avançar ou consulte a nossa política de privacidade para ver a descrição detalhada do tipo de cookies que usamos.

OK
pt en
Newsletter
José Ferreira Gomes

José Ferreira Gomes é licenciado em Engenharia Químico-Industrial pela Universidade do Porto (1970), Mestre em Matemática (M.SC) e Doutor em Química Teórica (D.Phil) pela Universidade de Oxford, Reino Unido (1976). Professor da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto de 1968 a 2013, catedrático desde 1985. Presidente do Departamento de Química e do Conselho Científico da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, Presidente do Conselho Científico de Ciências Exatas da Fundação para a Ciência e a Tecnologia, Presidente do Grupo de Santander (grupo de universidades) e Presidente da Sociedade Portuguesa de Química. Vice-reitor da Universidade do Porto (1998-2006), deputado à Assembleia da República (2009-11), Secretário de Estado do Ensino Superior do XIX Governo (2013-2015) e Secretário de Estado do Ensino Superior e da Ciência do XX Governo (2015). Presidente do Conselho Geral da Universidade da Beira Interior (2017-). Coordenador do Projeto Casa das Ciências (2008-).
https://www.fc.up.pt/pessoas/jfgomes/
http://maissuperior.blogspot.com/

saber mais
Que fazem os nossos licenciados?
Acesso ao ensino superior em 2020
Estatísticas 20.06.2020 Tempo de leitura: 12 min

Acesso ao ensino superior em 2020

Agora que as aulas terminaram, os alunos preparam-se para os exames nacionais. Uma etapa fundamental para os que querem prosseguir para o ensino superior. Este ano, pela primeira vez, os alunos do ensino profissional vão ter um concurso especial de acesso.


relacionados
Primeiras lições do PISA: dois países a seguir e Portugal no mundo
Estatísticas 03.11.2019 Tempo de leitura: 13 min

Primeiras lições do PISA: dois países a seguir e Portugal no mundo

Os resultados do PISA 2018 vieram confirmar a supremacia dos países asiáticos no topo da tabela (ainda que a China só participe com as quatro regiões mais desenvolvidas) e a queda da Finlândia como país modelo. A Estónia é a grande estrela e Portugal estagnou nos resultados razoáveis que tinha já obtido. Estas são as principais conclusões do maior estudo comparativo de sistemas de educação, em todo o mundo, reveladas no início de dezembro.


relacionados

Receba as nossas novidades e alertas

Acompanhe todas as novidades.
Subscrever