As cookies são importantes para o correto funcionamento deste site e são usadas para melhorar a sua experiência. Clique em OK para as aceitar e avançar ou consulte a nossa política de privacidade para ver a descrição detalhada do tipo de cookies que usamos.

OK
pt en
Newsletter
Luís Querido

Psicólogo, doutorado em Psicologia Cognitiva e licenciado (pré-Bolonha) pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa (FPUL), especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, com especialidade avançada em Neuropsicologia, pela Ordem dos Psicólogos Portugueses.

Psicólogo Clínico/Neuropsicólogo no Instituto de Psicologia das Relações Humanas, e no Serviço à Comunidade da FPUL nas Unidades de Intervenção de Neuropsicologia Clínica Cognitiva (NCC) das Dificuldades Específicas da Aprendizagem e NCC, do Envelhecimento e das Demências, e em clínica privada, desde 2000.

Colaborou e colabora em vários projetos de investigação, entre eles:

  • Estudo Psicolinguístico Longitudinal no âmbito do Plano Nacional de Leitura intitulado «Estabelecimento de níveis de referência do desenvolvimento da leitura e da escrita do 1.º ao 6.º ano de escolaridade», investigador responsável pela secção de estudo «Escrita e Conhecimento Ortográfico», de 2008 a 2010;
  • «Influência da consciência morfológica e do vocabulário nas habilidades de leitura e de escrita em estudantes universitários». FPUL (2016-presente).
  • Estudos de adaptação e validação do Coin in Hand - Extended Version, versão revista do Coin in Hand Test (Kapur, 1994), numa amostra portuguesa. Instituições intervenientes: FPUL, Universidade de Granada, Universidade de Harvard (2017-presente).

 Os seus trabalhos de investigação inserem-se no âmbito da Psicologia Cognitiva da Leitura, da Escrita e da Matemática.

saber mais
Brincar com números ajuda as crianças a aprender matemática?
Ciência 20.10.2021 Tempo de leitura: 7 min

Brincar com números ajuda as crianças a aprender matemática?

Há diferenças nas habilidades matemáticas das crianças ainda antes de elas entrarem no ensino básico. As que começam por ter mais dificuldades mantêm, e até tendem a aumentar, a distância aos seus pares ao longo dos anos. Poderão as famílias contribuir para que todas as crianças tenham um melhor ponto de partida? Um estudo recente mostrou que mais atividades matemáticas informais entre pais e filhos aumentaram as habilidades matemáticas formais das crianças na pré-escola.

Ler por prazer. Quem lê mais, lê melhor, ou quem lê melhor, lê mais?
Ciência 05.01.2021 Tempo de leitura: 8 min

Ler por prazer. Quem lê mais, lê melhor, ou quem lê melhor, lê mais?

É frequente dizer-se que o gosto pela leitura é essencial para criar melhores e mais ávidos leitores. Mas o que nos diz a investigação científica sobre esta questão? Será o gosto inicial responsável pela boa leitura, ou será a fluência de leitura que desenvolve o gosto pelos livros?

O efeito negativo de multitasking nas aulas online e presenciais
Ciência 19.05.2020 Tempo de leitura: 5 min

O efeito negativo de multitasking nas aulas online e presenciais

Investigações recentes confirmam que é nas aulas online que os alunos mais se dispersam em multitasking, e isso reflete-se de forma negativa nos seus desempenhos académicos. Afinal, conseguir fazer mais do que uma coisa ao mesmo tempo sem perder a atenção em nenhuma delas é impossível. O multitasking é apenas um mito.

O impacto das férias na aprendizagem da escrita
Ciência 02.04.2020 Tempo de leitura: 5 min

O impacto das férias na aprendizagem da escrita

É bom ter presente que as pausas escolares abrem caminho a que as crianças esqueçam o que aprenderam. As férias servem para alunos e professores descansarem, mas vários estudos sugerem que as paragens mais prolongadas podem representar uma perda de conhecimento na leitura e na matemática e uma nova investigação mostra que o impacto ainda é mais negativo na escrita.

A importância do sentido do número  para o sucesso na aprendizagem da matemática
Ciência 10.03.2020 Tempo de leitura: 5 min

A importância do sentido do número para o sucesso na aprendizagem da matemática

Antes de aprenderem a contar, as crianças já têm uma noção de quantidade. Esta capacidade de comparar quantidades é inata e pode ser preditora do desempenho na matemática, mais tarde na vida escolar. Um grupo de investigadores mostra como esta relação se verifica logo na primeira infância.

Receba as nossas novidades e alertas

Acompanhe todas as novidades.
Subscrever